WHATEVER

ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ

Posted on: fevereiro 25, 2008

Lendo na revista SET o especial sobre os indicados ao Oscar desse ano, concordei com eles quando afirmaram que esse é o Oscar cool. Sim, só gente bacana, que está conseguindo devolver à indústria cinematográfica norte-americana alguma qualidade, transformou a festa do Oscar desse ano em uma das mais interessantes dos últimos cinco, quem sabe, dez anos.

Na verdade eu havia desistido do Oscar de vez em 2006, quando Crash ganhou. Parei de vez de levar a sério, quando um dos piores filmes que já vi levou o Oscar e muita gente achou que merecia, que era realmente um grande filme. Não vou mais discutir esse assunto, porque por mais que me digam que É um grande filme, eu não concordo. Acho um engodo, filme politicamente correto para americano ver.

Mas felizmente são águas passadas e estamos em 2008, para mim o ano em que o Oscar voltou a ser o Oscar. Quando mostravam as cenas com as retrospectivas dos anos anteriores, em comemoração aos 80 anos da festa, em mim era mais nítida a impressão de que a Academia havia despertado pra vida e em quase todas as categorias (Norbit? Hello???) qualquer indicado que ganhasse era verdadeiramente merecedor.

Começando pelo apresentador, o comediante/apresentador de talk show, Jon Stewart, que tem um timming perfeito para piadas geniais, como afirmar que está assustado em os EUA ter uma mulher e um negro concorrendo à presidência do país, pois isso só acontece em filmes onde a Estátua da Liberdade é destruída por asteróides. Foi a melhor sacada da noite toda! Fora as piadinhas em cima das rápidas retrospectivas sem graça e o baby award para brincar com a safra de grávidas de Hollywood.

Uma noite com pouquíssimas surpresas, onde só me surpreenderam os prêmios de melhor atriz para Marion Cotillard e atriz coadjuvante para Tilda Swinton, ambos merecidíssimos. Na verdade fiquei com muito medo da Blanchett levar melhor atriz, já que apesar de ela estar muito bem em Elizabeth, não achei nada excepcional, principalmente este ano, em que quase todas as atuações foram maravilhosas.

Sim, fiquei felicíssima com o Javier Bardem levar ator coadjuvante e ainda agradecer em espanhol à mãe. Não adianta, acho ele um charme e pronto! Ainda mais de smoking e sem o cabelinho triste do filme. Aliás, a categoria melhor ator foi uma das melhores em todos os sentidos, hein? Clooney, Day Lewis, Depp e Mortensen??? Do que mais uma festa precisa além desses homens e todos chiquérrimos? (Ok, mas ninguém merecia a barba do Viggo Mortensen). Fora o James McAvoy ali no cantinho, todo sorridente e lindinho. Ah esses escoceses…

Não quero nem falar sobre os prêmios que o Ultimato Bourne levou, porque achei o filme um saco, o mais fraco da trilogia, que nem merecia estar ali concorrendo a prêmio nenhum, quanto mais ganhar. Mas adorei Sweeney Todd ganhar direção de arte, também óbvio que ia ganhar né? O filme é uma obra de arte em película. E apesar de ter achado Elizabeth chato, reconheço que o figurino era deslumbrante, também mereceu o prêmio.

Fiquei dividida no prêmio de melhor animação, mesmo sem ter visto Persepolis, mas Ratatouille realmente é foda. Ainda não entendi porque a Katherine Heigl estava TÃO nervosa. Achei que ela ia ter um treco ali! Nem a menininha do Hannah Montana passou por esse vexame. E que foda a presença do Steve Carrell e do Seinfeld! Mesmo que disfarçado de abelhinha. Agora, me expliquem o prêmio de melhor documentário curta-metragem. Aqueles soldados apresentando os indicados foi a coisa mais constrangedora da festa toda! Mas não é uma festa do Oscar, sem um momento sem graça. E falando em constrangedor quem mais mudava de canal quando as músicas do Encantada eram apresentadas? Ainda bem que ganhou a canção do irlandeszinho do The Commitments (a.k.a Glen Hansard). Na verdade se você ainda não ouviu falar em Once, corre e procura saber, porque é a próxima sensação agora que passou o Oscar e deve diminuir um pouco toda a agitação em volta de Juno.

E falando em Juno, nem preciso dizer a minha alegria pela Diablo Cody, que merecidamente levou roteiro original. Lá no fundo torci muito pro Jason Reitman levar melhor diretor, mas sei que ainda não é a vez dele, ainda mais que os irmãos Coen fizeram um trabalho impecável com Onde os Fracos Não Têm Vez. O Day Lewis levou melhor ator (é Júlio, você tinha razão…), gostei, mas queria o Clooney.

Agora, momento para ficar nervoso e perder o rumo, é receber o Oscar das mãos dos Scorsese, não é não? Imagina, você ganhou o Oscar e ainda recebe das mãos dele??? Eu tinha uma síncope no palco. Claro que os Coen não sou eu. Claro que o filme deles mereceu o prêmio e no fim de tudo isso o que me deixa mais feliz é que um filme nem um pouco convencional, nem um pouco fácil de ser digerido, com um tema tão forte, ganhou o prêmio de melhor filme do ano. Realmente este ano o Oscar não foi para os fracos.

Obs: Apenas um comentário sobre a TNT, que espertamente deixei no sap o tempo todo. Que presentão nos intervalos, hein???? Os trailers de Batman e Speed Racer! Só faltou o Homem de Ferro 😉

Obs2: Quer saber todos os ganhadores? Clica aqui.
Anúncios

2 Respostas to "ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ"

Errei feio em melhor filme e diretor, Rapha. Passei a noire toda achando que ia dar Sangue Negro, Paul Thomas Anderson… =S

Mas torcendo mesmo, tal qual você, eu estava pro Reitman! Ele fez Obrigado por fumar e o pai dele Caça Fantasmas! hehehehehehe

E Juno eh maravilhoso!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: